Jogo dos 7 erros

O tempo de aprovação pode variar bastante de uma para outra pessoa, conforme a situação do concurseiro e de acordo com o tipo de concurso desejado. Mas é preciso saber observar se a preparação está realmente avançando ou se a pessoa está andando em círculos.

Há alguns equívocos comuns e que podem, sim, tornar a aprovação algo muito, muito distante. Ter humildade para perceber e coragem para corrigir alguns detalhes do projeto pode ser a garantia de conquistar a tão desejada vaga.

Confira:

mistake-pano_21762

1. Só estudar depois que o edital é publicado e, em caso de reprovação, parar de estudar até que saia novo edital; ou seja, mais uma vez desperdiçar a vantagem de começar o estudo com antecedência.

Correção: Só vale começar a estudar com edital publicado na primeira vez, porque você ainda não tinha decidido fazer concursos. Depois disso, escolha uma área de concursos e inicie o estudo das matérias básicas ANTES do próximo edital.

2. Estudar para todo concurso que aparece, independentemente da área

Correção: A escolha de uma área de concurso permite o estudo antecipado de matérias comuns aos diversos concursos daquele segmento e mesmo uma eventual reprovação serve como patamar de conhecimento adquirido para o concurso seguinte.

3. Descuidar da saúde

Correção: Cuidados simples com as horas de sono (6 a 8h), alimentação regular e de qualidade, ingestão de água (2 litros/dia) e atividade física (3 vezes/semana) melhoram significativamente as condições e os resultados do estudo. Experimente e comprove!

4. Estudar “de 2ª a 2ª”

Correção: Algum tempo de lazer a cada semana é essencial para que a pessoa recupere as condições físicas e emocionais para seguir na maratona. Caso contrário, a cada semana o projeto torna-se mais pesado, com risco de o candidato precisar desistir.

5. Estudar somente a teoria

Correção: O estudo da teoria é importante, mas o conhecimento de como aquele conteúdo é cobrado nas provas faz toda a diferença na hora de responder às questões. Baixar provas de concursos anteriores na internet e resolvê-las é essencial para quem deseja estar bem preparado.

6. Estudar na véspera da prova

Correção: O dia da prova é o dia D da sua maratona. Você vai arriscar estar com a sua principal ferramenta –o cérebro- no limite da exaustão? Sugerimos 24h de descanso e relaxamento para que a mente tenha raciocínio claro e plenas condições de resgate de informações na memória.

7. Culpar os outros por suas dificuldades

Correção: O projeto concurso público é pessoal e a vaga conquistada é intransferível. Assim, não exija que outros se responsabilizem pela sua preparação. Todos (todos mesmo) têm dificuldades a enfrentar e isso também prepara o candidato para lidar com as frustrações que podem surgir no caminho. É crescimento e maturidade lidar com os próprios problemas. O ônus é seu e o bônus (a aprovação) também será!

____________________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: “Saiba como manter a saúde em dia para ir bem em um concurso público”

qua 29 maio/2013

A importância da Atividade física na preparação de concursos

Olá, pessoal!

Nesse nosso encontro vamos falar da importância da atividade física para a preparação do concurso. Já sabemos que a atividade física é excelente para a saúde, mas o que tem a ver com concurso? Deixa eu lhe contar um segredo, a atividade física é fundamental para melhorar o desempenho do seu cérebro. Só isso já bastaria para que ela fosse considerada essencial para todos que precisam e desejam um bom resultado mental mas, além disso, a atividade física, principalmente a aeróbica, contribui para o desenvolvimento de novos neurônios.

É comum o concurseiro acreditar que qualquer atividade fora os estudos é perda de tempo, mas esse é um grande equívoco. A atividade física é tão importante na preparação para um concurso quanto a alimentação. As contribuições dessas atividades, bem como a malhação mental, para a cognição são inúmeras: ajudam a melhorar a memória, a disposição, a concentração, a atenção, e estimulam a produção do fator neurotrófico melhorando a saúde do cérebro.

O outro ganho que pode ser adquirido com o hábito da atividade física é a ativação da secreção no cérebro de endorfinas e de endocanabinóides. Diariamente na Academia do Cérebro constatamos como o treinamento pode aumentar o desempenho cerebral das pessoas.

Em termos de exercício físico, para quem estuda, o melhor deles é o aeróbico que trabalha a coordenação motora e, assim, ativa a interação entre os dois hemisférios cerebrais. Você pode dedicar pelo menos 3h semanais para essa atividade, sem achar que está comprometendo seu tempo de estudos, porque os resultados serão tão surpreendentes que de imediato você perceberá a ótima relação custo/benefício. Você não estará deixando de estudar por 3 horas, estará melhorando sua performance de modo que 1 hora de estudos terá um rendimento equivalente às 3h em que se dedicou ao exercício físico.

O mais importante é ter autocontrole e não extrapolar o tempo que determinou para malhar o corpo e mentalmente. Seu cérebro precisa desenvolver a agilidade com disciplina.

No seu planejamento de estudos, inclua um horário de 2 ou 3 vezes na semana, para aumentar seu desempenho cognitivo. Isso vai ajudar você a aliviar tensões e melhorar sua saúde física e cerebral.

Mãos à obra e boas práticas. Até o nosso próximo encontro.

Nanci Azevedo Cavaco

Atividade fisica concurso

____________________________________________________________________________

 Nota do blog:

● São exercícios aeróbicos: caminhar, correr, pedalar, nadar. Têm como característica a continuidade. Estimulam o sistema cardiorrespiratório (aumentando a capacidade cardíaca e pulmonar) para suprir de energia o músculo a partir do consumo do oxigênio (por isso o nome aeróbico).

● Musculação é exercício anaeróbico.

sex 24 maio/2013

Segurança Pública – Boas Novas

Olá!

O mundo dos concursos anda bastante movimentado com a republicação dos editais para os cargos de escrivão (350 vagas), perito (100) e delegado (150) da Polícia Federal. As inscrições são de 17 de maio até dia 3 de junho para todos os cargos – e as provas estão previstas para 21 de julho. O concurso estava suspenso por decisão do STF, em razão da falta de previsão de vagas para deficientes físicos.
E já há mais um pedido de concurso para 1.200 vagas na PF: 600 de agente, 450 de escrivão e 150 para delegado.

Além disso, temos ainda autorização para mil vagas de agente da PRF. O edital pode sair a qualquer momento, apesar de o prazo ir até outubro. O salário inicial é de R$ 6.479,81 e há um grupo significativo de matérias em comum com a PF. Isso, sem comentar os concursos para polícias civil e militar de diversos estados.

O que quero alertar é que há muitas oportunidades na área e, mesmo quem ainda não começou, se tem perfil para esse tipo de atividade, vale a pena iniciar os estudos, porque outros concursos acontecerão.

Veja orientações mais detalhadas na nossa coluna do G1.

Para quem já está estudando, é bom lembrar que todos os concursos para a área de segurança têm previsão de teste físico. Vale assistir ao vídeo que a Polícia Federal disponibilizou como referência para aquele tipo de exame.

____________________________________________________________________________

Links

● G1 – Polícia Federal reabre concurso para delegado, perito e escrivão

● G1 – Veja dicas de concursos para vagas na área de segurança pública

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: “Veja dicas para concursos de tribunal de contas e agências reguladoras”

qua 22 maio/2013

Coluna em Vídeo no G1 (14/05/2013)

“Tire suas dúvidas sobre estratégias de estudo para concursos públicos”

coluna em video 01

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>>assista aqui

qui 16 maio/2013

Será que eu posso? (Parte 2)

Construir concursos

Muita gente teme render-se à sedução dos concursos públicos porque acredita que estará abrindo mão de seus sonhos de profissão. Eu tenho uma visão diferente a respeito desse assunto. Quantas pessoas conhecemos que fizeram a faculdade que desejavam, exercem a profissão escolhida e “estão muito bem, obrigado”? Eu conheço poucas. A maioria ou escolhe a profissão que considera ter melhor mercado de trabalho, ou cursou a faculdade que realmente gostaria, mas trabalha em algo que nada tem a ver com sua formação; ou trabalha na área, mas com remuneração muito baixa. Desculpem, mas… isso é sonho?! Um profissional, para se colocar no mercado privado num patamar de excelência, precisa de uns dez anos de exercício da profissão, além de muita competência e alguma sorte. Precisa ainda investir na sua qualificação profissional, o que requer dinheiro. Para quem pode, excelente! Mas penso que não é essa a realidade da maioria.

O concurso público oferece a possibilidade de bom salário e segurança para que você possa, até, retomar a sua profissão original com mais qualidade. Será preciso conciliar os horários, claro! Mas você terá aporte financeiro para investir na sua qualificação, além de melhores condições de escolha, já que as contas estarão pagas. Isso permite escolher o que realmente nos agrada na profissão, sem ter de aceitar qualquer coisa em razão da necessidade.

Mas, atenção! É preciso não descuidar do trabalho quando for servidor público, realizando-o com qualidade, interesse e comprometimento. Afinal, será sua tarefa servir muito bem a quem paga o seu salário – a sociedade – e permite que você realize seus sonhos. É uma questão de justiça!

No meu caso, foi após a aprovação que publiquei o livro e passei a fazer palestras. A faixa de chegada –a posse no serviço público- foi, na verdade, meu ponto de partida para muitas oportunidades interessantes, que eu sequer imaginava. Daí para consultora em concursos, colunista do G1 e… sabe-se lá o que mais estará depois da próxima curva do caminho… E tudo começou quando me tornei fiscal de rendas.

Então, convido você a iniciar essa empreitada. Vamos?

____________________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1 em vídeo: “Tire dúvidas sobre estratégias de estudo para concursos públicos”

qua 15 maio/2013

Será que eu posso? (Parte 1)

Engraçado como, depois que a gente passa no concurso, tudo parece simples e previsível. Ok! Dá um trabalho danado: é estudar, estudar e estudar. Mas, as regras gerais do jogo são bastante claras. Pena que só percebemos isso com o passar do tempo. Mas lembro quão perdida eu me sentia quando comecei, e vejo que todo mundo que decide iniciar a maratona – ou que ainda não tem certeza se vale a pena – tem dúvidas muito semelhantes.

Por exemplo, muita gente não sabe que a grande maioria dos concursos não exige formação específica, ou seja, quem fez faculdade em qualquer área pode se tornar fiscal, policial federal, etc.. Aí, vem a pergunta: como aprender matérias de Direito se nunca estudei isso? Ou Contabilidade? Ou qualquer outra? Simples: em primeiro lugar, as matérias são abordadas – tanto nos cursos preparatórios, quanto nos livros de editoras especializadas em concurso – de maneira objetiva e visando à construção do conhecimento desde o início. Em segundo lugar, que eu saiba, quando a gente entra na faculdade, começa a estudar matérias totalmente novas. E aprendemos. É a mesma coisa.

Uma falsa crença também faz com que as pessoas escolham concursos que não cobrem matemática, porque tinham dificuldades nessa matéria na época da escola. Outros até questionam se serão capazes de ser aprovados, já que nunca foram bons alunos e têm pouca base. Existem dois fatores determinantes aí. Nos tempos de escola, estávamos ali porque nossos pais nos colocaram e ninguém pensava que estaria “construindo o futuro”. Isso era distante e vago. Quando decidimos estudar para concurso, buscamos algo bastante concreto e objetivo: um bom salário, segurança e perspectivas de futuro (comprar um carro, uma casa, sair da casa dos pais, casar, viajar, etc.). Não é uma miragem; é real e acontece, sim, a partir da posse no serviço público. Eu enfrentava sérios problemas financeiros antes de passar e um dia cheguei a ter a luz cortada. Dois anos depois da aprovação eu estava em Paris, passando férias!

Outro fator que muda a nossa relação com o estudo é o fato de sermos mais velhos (pelo menos um pouco), adultos e sabermos o que queremos. A maturidade faz com que coisas que pareciam quase incompreensíveis nos tempos de escola sejam, hoje, bastante simples de serem aprendidas. E temos aí mais um fato interessante: mesmo antes da aprovação, aprendemos coisas que nos tornam cidadãos mais conscientes, conhecedores dos nossos direitos e deveres, e ainda aprimoramos significativamente o uso da língua portuguesa; tudo isso se reflete na nossa relação com o mundo. Tornamo-nos mais qualificados e seguros em diversas situações, inclusive de trabalho.

paris concurso

____________________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1 em vídeo: “Saiba como estudar para concursos em bancos e na segurança pública”

ter 07 maio/2013

Surpresas da vida…

Eu tenho algumas (muitas) dificuldades. Acredito que você também tenha as suas. Provavelmente, eu vou achar as suas muito simples e você também achará engraçado que eu me atrapalhe com tamanhas bobagens. Assim é a vida.

Mas, voltando às minhas dificuldades, uma delas é conseguir sair da cama numa hora razoável no domingo, se eu não tiver um compromisso. E eu preciso pegar sol. A minha rotina de múltiplos afazeres termina ocupando a semana, as noites e fins de semana, se eu bobear. E são todas “indoor”. Hoje eu acordei quando o despertador do celular tocou e falei para mim (é, eu converso comigo mesma; você não?): Lia, se você não levantar e for caminhar no sol, vai se sentir fracassada. Se você for, todo o resto do dia será diferente. Mesmo assim, voltei a cochilar. O despertador tocou novamente (deixei na soneca…). Resumindo a história, fiquei nisso por quase uma hora até que consegui colocar os pés no chão e sair da cama.

Daí para a frente, tudo foi mais fácil. Percebi que, na verdade, nem estava mais com sono – é um pouco de vício. Tomei um bom café da manhã e fui para a praia caminhar. Fui andando, observando a paisagem, as pessoas e a mim mesma. O passeio aqui é democrático e tem gente de todo jeito: crianças, jovens, adultos, idosos, casais, solitários, pessoas em cadeira de rodas e bebês em carrinhos, outros de bicicleta. Tem gente que corre, gente que anda, e aqueles que “arrastam o chinelo”. Gente gorda, gente magra, gente baixa, gente alta, outros medianos, louros, morenos, ruivos, cabelos brancos ou pintados. Na curva da Itapuca dá para ver tartarugas marinhas (verdade!), mas hoje eu fiquei ali e não vi nenhuma. Subi a ladeira do MAC e lá fiz meia volta para descer.

Quando já estava de volta à praia, ouvi alguém me chamar pelo nome: virei e encontrei uma amiga a quem não vejo há bastante tempo. Ela ia em sentido contrário, mas mudou de direção para me acompanhar. E assim conversamos, conversamos, conversamos (nossa, as mulheres falam muito mesmo!). Chegamos à porta da casa dela e ela resolveu ir comigo até a porta da minha. Chegando lá, convidei-a a subir. Eu tinha trabalho a fazer e ela sabia disso, por isso combinamos um horário limite. Sabe aquela conversa gostosa, quando a gente fala o que sente, de forma honesta e confortável? Quando a gente fala de si, da própria vida e percebe que o outro está ouvindo de verdade? Terminamos almoçando juntas e depois ela foi. Agora, eu preciso revisar o pdf da próxima edição do meu livro, escrever um artigo para o blog e fazer uma reunião de trabalho. Poderia ter ficado em casa e estar adiantada. Poderia ter deixado a vida bem organizadinha… e parada. Mas como foi gostoso ter me colocado em movimento.

icarai

____________________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1 em vídeo: “Veja dicas para quem vai prestar concurso público de nível médio”

ter 30 abr/2013

Atualidades

Apresento a vocês o nosso especialista em Atualidades: o professor Alex Mendes. Assim como a Nanci Azevedo, o professor escreverá aqui no blog uma vez por mês. Fiquem atentos às suas dicas pois é uma matéria na qual os concurseiros encontram muitas dificuldades ao estudar.

Beijos e boa leitura!

___________________________________________________________________________

header-photo-open-magazines

Como estudar

Vamos esquentar as “baterias” neste momento com dicas sobre como estudar Atualidades e Conhecimentos Gerais. Muitos alunos nos procuram com esta dúvida, pois acreditam que a simples leitura diária de informações é o suficiente para realização eficiente da prova. No entanto, como muitos já perceberam, os editais em geral cobram: política, economia, sociedade, meio ambiente, cultura e suas “vinculações históricas”. Ou seja, o avaliador quer que o concursando saiba causas e consequências dos acontecimentos. E mesmo que muitas vezes estas “vinculações históricas” não estejam implícitas no edital, saiba que será cobrada. Assim, ao estudar, sugiro o seguinte roteiro:

1. Adquira o Guia de Atualidades Abril Vestibular 2013. Ele é editado em janeiro e julho e está à venda em bancas de jornal, trazendo o semestre anterior em atualidades comentadas, dicas de filmes, quiz, testes etc. A leitura é fundamental para os concurseiros.

2. Leia uma revista semanal (Veja, Isto é, Época ou Carta Capital). Só leia jornal diário se você tiver tempo livre. Isto porque os jornais apresentam muita informação e demandam um tempo precioso; lembre-se em concursos precisamos ter foco e eficiência na gestão do tempo de estudo.

3. Acesse diariamente e uma única vez e apenas um site de notícias, (G1, BBC Brasil ou Veja) leia o conteúdo de atualidades (política, economia, etc.) ou melhor, assine gratuitamente o newsletter de apenas um destes sites e receba a informação em seu e-mail

4. Leia de forma exploratória o texto (leia sem grandes pretensões aqui, apenas travando contato inicial com o tema e tendo uma ideia geral do assunto).

5. Faça uma segunda leitura analítica (procurando as causas e conseqüências das informações apresentadas; marque os trechos mais importantes).

6. Releia os textos em um dia pré-programado da semana pois os neurocientistas nos alertam de que a memória tende a descartar tudo o que não é utilizado.

7. Faça exercícios de revisão (provas anteriores de atualidades – mesmo que não seja da área que esteja se preparando; quiz; filmes relevantes etc.).

Lembre-se que, inicialmente a leitura exploratória, a analítica e a releitura, podem lhe parecer cansativas e demandarem um tempo longo demais. Contudo, como nos lembra o mestre William Douglas, o saber é cíclico. Isso  significa que a cada informação consolidada novas conexões serão possíveis e a velocidade de aquisição do conhecimento se acelera até nos levar aos nossos objetivos. Aliás, a metáfora utilizada por ele é a do quebra-cabeça, onde as peças iniciais são dificílimas de serem encaixadas, mas à medida que avanço na “montagem” as peças se apresentam de forma mais fácil e ao final a rapidez e eficiência são impressionantes.

Alex Mendes
Prof. Economia e Atualidades

___________________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: “Tire dúvidas sobre como aproveitar o tempo de estudo para concursos”

qui 18 abr/2013

Fase 5 da maratona: a dor

Dor Maratona

Outro dia encontrei com uma amiga querida. Concurseira há 4 anos, lamentava-se por ainda não ter conquistado a vaga. Está pensando em desistir… Essa história soa minimamente familiar?

Pois é, da mesma forma, também eu desisti depois de 3 reprovações. É tanta gente que abandona o projeto… Eu tive sorte (?) porque, como não encontrei outra solução, retornei aos estudos. No concurso seguinte, veja só (!), passei em 5º. lugar!

Eu fico aflita quando vejo tanta gente ficando pelo caminho. O projeto “concurso público” tem isso de cruel: é muito tempo de investimento sem atenuantes e, pior, conforme o tempo passa, ficamos mais cansados e, infelizmente, inseguros. A impressão, naquele momento, é que seria melhor interromper tudo logo, para não prolongar o “mico”. Afinal, não temos mais certeza de nada.

Eu sei que dói – já senti na pele. Dói mais ainda quando “quase” passamos. Sempre comento isso nas minhas palestras. Parece que, nessa hora, a gente perde as forças. Foi o caso da minha amiga. Tenho vários textos e relatos a respeito, e um capítulo inteirinho do meu livro (Não passei. Por quê?) .

Mas, gente, vamos pensar direitinho. Se você desistir agora, todo o investimento em dinheiro, tempo, energia, restrições no convívio com as pessoas queridas vai ficar perdido. E é pesado isso! Fica uma sensação de insucesso, coisa desagradável…

Se eu pudesse, diria: você vai passar no próximo concurso, falta pouquinho! Na verdade, é nisso que eu acredito.

Infelizmente, eu não posso dizer quando vai ser, a data exata. Mas tem uma coisa que eu posso falar: quando você for aprovada, logo ali adiante, todo o investimento retornará com excelente rentabilidade: um bom salário todo mês, férias, 13º., qualidade de vida, planos de futuro e, o melhor de tudo, tudo isso é para ser usufruído pelo resto da vida.

Ah! Só mais uma coisinha: sabe quantas fases são? 6.

E sabe qual é a próxima? Aprovação!

Então, minha linda M., respire fundo, marque uma data e conclua o que começou. O prêmio só é entregue para quem cruza a linha de chegada e você merece isso!

Grande beijo! E conte sempre comigo.

Vitoria

_____________________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: “Saiba como se preparar para concursos público para tribunais”

ter 16 abr/2013

Colunistas!

Olá concurseiros!

Hoje inauguramos uma nova coluna, na qual teremos especialistas tratando dos mais diversos assuntos. Aqui você encontrará dicas fundamentais para melhorar seus estudos qualitativamente e, como consequência, obter sua aprovação o quanto antes.

A colunista de hoje é a Nanci Azevedo, grande amiga e profissional muito respeitada em sua área. Uma vez por mês teremos sua presença aqui no Blog.

Confira!

_____________________________________________________________________________

Concurso tecnicas

Questões para refletir

Em primeiro lugar, é um grande prazer estar neste ambiente onde a Lia compartilha com vocês dicas importantes para um reforço nessa jornada, na qual o concurso público é o grande desafio. Em seguida, quero convidá-los a uma reflexão que considero fundamental para um bom começo. Esse texto faz parte do meu livro Aumente sua Inteligência – da Ed. Ferreira.

Para que você tomou a decisão de estudar para concursos? (Observe que a pergunta é para que e não por que).

Muitas pessoas decidem enfrentar um concurso público, contudo não estão convictas de que é isso que desejam, ou ainda buscam esse caminho por considerar sua única alternativa. Outros, sem perceber, escolhem essa opção para satisfazer as expectativas de outras pessoas, para provar aos outros que consegue. E você? Por que escolheu essa opção?

Você tem bem definido qual dos concursos deseja fazer? 

Essa pergunta pode parecer sem sentido, já que pressupomos que aquele que decide fazer algo já possui ao menos uma noção do que deseja. No entanto, é muito comum ter pessoas que ainda estão perdidas nas suas escolhas  e quem não sabe para onde está indo, não saberá onde chegará. Ter bem definido o que deseja fazer é importante para que se possa estabelecer a melhor estratégia para chegar mais rápido.

Qual é sua meta? O que você deseja para sua vida?

Você acha que esta pergunta é parecida com a primeira? Embora elas se pareçam, esse questionamento é apenas um complemento da pergunta anterior. Ter uma noção de suas metas o mantém focado no seu alvo e isso é importante para reforçar e manter a motivação.

Você está utilizando a estratégia correta para a aprovação e adequada a sua realidade ?

Estudar é diferente de aprender. Tenho repetido isso várias vezes e, como também se aprende por repetição, espero que aprenda isso definitivamente. Adquirir material de estudos, entrar num cursinho e estudar em casa ou em outro lugar não é exatamente uma estratégia porque existem algumas informações importantes que o candidato ignora. Para criação de uma estratégia, eficiente é necessário um pouco mais de informação a respeito de si mesmo e daquilo que se vai enfrentar.

Quais são suas dificuldades e quais são seus talentos para lidar com elas?

As dificuldades podem ser várias, desde problemas cognitivos (atenção, memória, concentração) até preguiça. Procure prever os possíveis desafios que terá que enfrentar e  quais capacidades possui para lidar com cada uma delas.

Por hoje é só. Logo, logo você terá outras questões para fazer você pensar, afinal,  você precisa exercitar esses neurônios.

Um abraço e boas práticas.

_____________________________________________________________________________

Nanci Azevedo

Nanci Azevedo Cavaco é sócia fundadora da Academia do Cérebro, que tem como missão melhorar a performance do indivíduo de forma cognitiva e emocional para alcançar melhores resultados e vencer desafios. Neurocientista com especialização em memória, aprendizagem e TDAH (Neuroaprendizagem); Palestrante na área da Inteligência, aprendizagem cognitiva e emocional; Training e coach em Programação Neurolinguística (PNL); Escritora de diversos artigos e livros da Editora Ferreira (Aumente sua Inteligência e Consumismo é coisa de sua cabeça; e da Editora Método (Turbine seu Cérebro – 4a. edição); Psicopedagoga e Psicanalista.

sex 12 abr/2013