Planejar é preciso!

Uma coisa que significou um salto de qualidade na minha preparação foi quando descobri que poderia fazer um planejamento de estudo.

Até então a coisa funcionava de modo aleatório: todo o tempo livre de que eu dispusesse seria dedicado ao estudo. Ocorre que, como mãe de quatro filhos, chefe de família e trabalhando, isso era uma ilusão – não sobrava tempo. Então, eu ficava o tempo todo angustiada, culpada por não estar estudando enquanto realizava as tarefas a meu cargo. O tempo dedicado ao estudo era pequeno e de péssima qualidade, porque meio “roubado” de outros afazeres ou, na melhor das hipóteses, do sono…

Então, procure fazer uma ficha contendo quatro semanas (na primeira vez, inclua até o fim do mês em curso, mesmo que seja um período menor).

Nessa ficha, reserve tempo para:

• estudo;

• aulas;

• atividade física;

• compromissos de rotina de acordo com seu estilo de vida e necessidades – mercado, pagamentos etc;

• lazer.

De preferência, deixe uma certa folga (sem exagero) de forma que você possa absorver imprevistos indelegáveis e inadiáveis, sem comprometer muito o planejamento inicial.

Há duas coisas importantes a considerar nesse momento: é proposta para médio prazo; assim, não pode ser tão onerosa que comprometa sua continuidade – em outras palavras, tem de ser algo que você suporte viver por um período de tempo relativamente longo; a outra questão é que deve incluir um dia totalmente livre na semana, para garantir o rendimento da semana seguinte.

Na verdade, você estará fazendo um acordo com você mesmo: cumprir as obrigações com a certeza de que também haverá o tempo do prazer. Não é necessário, nem conveniente que você deixe de namorar, jogar futebol ou o que mais fizer parte da sua vida. Caso contrário, essas atividades represadas terminarão sabotando seu tempo de estudo.

Eu gostava de fazer o planejamento a lápis para poder reajustá-lo sempre que necessário. Por exemplo, o início de uma aula nova ou cancelamento de outra que já estava agendada alteravam o plano de estudo.

É claro que na ficha estará o ideal a ser atingido. Muitos fatores, externos e internos, podem interferir naquela programação e isso não é motivo para desespero (algum mau humor por conta da interrupção é aceitável).

Outro fator que altera totalmente o planejamento é a publicação do edital, porque aí deixamos de trabalhar para um futuro distante e passamos a ter uma data relativamente próxima. Nesse caso, vale até sacrificar alguns prazeres e delegar absolutamente tudo, já que será por um período de tempo bem mais curto – algo em torno de dois meses – e precisaremos convergir todos os esforços para estarmos efetivamente prontos.

Um aspecto interessante de programação é que, no momento de planejar, você estará motivado para alcançar a meta e não existe a preguiça de “encarar” a matéria. No dia de estudar, já terá um compromisso assumido com você mesmo e será mais fácil vencer o desânimo.

Print

_____________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: ”entenda como funcionam a prova de títulos e a nomeação para cargo ocupado”

● Livro – Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos – à venda na Saraiva

_

qui 31 mar/2016