De volta à maratona

Desde os tempos em que eu estudava para concursos, via a preparação como uma maratona. Por isso, quando decidi transformar meus relatos diários em um livro, não consegui imaginar outro nome. E assim ficou: Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos. Meio grande, né? Daí “quebramos” em: Como Vencer – a Maratona dos Concursos Públicos. Ou: Como Vencer, para os íntimos.

Enfim, toda essa conversa é para explicar porque quero retomar a analogia agora. Gostaria que você fizesse uma reflexão honesta: como está o seu estudo?

Porque, a partir de e-mails, mensagens e comentários que leio em minhas redes sociais, percebo que muita gente está se atrapalhando, apesar de desejar profundamente ser aprovada.

mesa_estudos

Tipo 1 – Pessoas que estudam desesperadamente

O desespero não é bom conselheiro. Se você estuda de 2ª a 2ª, sem dia de descanso, sem algum lazer, descuidando provavelmente dos horários (e qualidade) da alimentação e do sono, corre o sério risco de estar construindo um ciclo vicioso. A cada semana o estudo rende menos, em razão do nível de cansaço e estresse e, por isso, você acha que precisa estudar mais ainda, para compensar – com isso, a situação chega cada vez mais perto do insuportável para o corpo e para o cérebro.

Não se vence maratona correndo em disparada, porque as chances de sofrer uma lesão são enormes, ou, no mínimo, de uma exaustão precoce, o que levará o corredor a sair da prova.

Quem mantiver ritmo e continuidade certamente chegará ao final.

Tipo 2 – Pessoas que estudam quando sai o edital

Você quer ser aprovado num bom concurso, ter um bom salário e um bom emprego. Muita gente também deseja isso. E o serviço público quer os melhores candidatos. Será que você é tão melhor do que todo mundo que pode estudar só depois que o edital sair? Isso será suficiente para aprender todas as matérias que serão cobradas? Temo que não. Inclusive, se você usa essa estratégia, este pode ser o principal motivo para ainda não ter sido aprovado. E, pior ainda, isso pode levar você a uma visão equivocada de que concurso público é algo que não funciona.

Então, se você pretende ser um atleta e correr uma maratona, não adianta treinar na véspera ou durante poucas semanas. Você precisa aprender como é o treino, saber os movimentos corretos, superar a dor que acompanha cada progresso. E ainda é necessário ter regularidade para que os resultados apareçam e permaneçam. Se o treino acontecer de forma eventual, o corpo não ganha “memória” e o que se conquista em alguns dias perde-se em outros.

O corpo é capaz, mas precisa de tempo para ganhar condicionamento.  E de constância para mantê-lo. A mente também.

Tipo 3 – Pessoas que sofrem alguma reprovação e perdem a motivação

Concurso público requer determinação, continuidade e resistência. Sim, porque é um projeto complexo e sujeito a muitas interveniências. Podem acontecer reprovações (mais de uma, em geral), concursos suspensos, demora na nomeação do candidato depois de aprovado. É assim mesmo.

Como numa maratona, o cansaço ronda o candidato e há determinadas situações em que dá mesmo vontade de desistir. Mas, desistir seria evitar a dor do momento e carregar para sempre a frustração de uma vida que não satisfaz.

Se você acha que sofreu uma derrota e isso gerou uma “lesão” emocional, cuide como se fosse uma lesão física: faça alguns dias de repouso (não mais do que uma semana) e retome depois o treino, começando de forma um pouco mais suave até atingir outra vez o patamar em que estava.

Siga adiante até conquistar o que deseja. A celebração da vitória vai curar todas as feridas da caminhada. 

Tree-lined country road in Sweden at sunrise

______________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: ”Há oportunidades mesmo com suspensão dos concursos do governo federal”

● Livro – Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos

_

qui 17 set/2015