Jogo dos 7 erros

O tempo de aprovação pode variar bastante de uma para outra pessoa, conforme a situação do concurseiro e de acordo com o tipo de concurso desejado. Mas é preciso saber observar se a preparação está realmente avançando ou se a pessoa está andando em círculos.

Há alguns equívocos comuns e que podem, sim, tornar a aprovação algo muito, muito distante. Ter humildade para perceber e coragem para corrigir alguns detalhes do projeto pode ser a garantia de conquistar a tão desejada vaga.

Confira:

mistake-pano_21762

1. Só estudar depois que o edital é publicado e, em caso de reprovação, parar de estudar até que saia novo edital; ou seja, mais uma vez desperdiçar a vantagem de começar o estudo com antecedência.

Correção: Só vale começar a estudar com edital publicado na primeira vez, porque você ainda não tinha decidido fazer concursos. Depois disso, escolha uma área de concursos e inicie o estudo das matérias básicas ANTES do próximo edital.

2. Estudar para todo concurso que aparece, independentemente da área

Correção: A escolha de uma área de concurso permite o estudo antecipado de matérias comuns aos diversos concursos daquele segmento e mesmo uma eventual reprovação serve como patamar de conhecimento adquirido para o concurso seguinte.

3. Descuidar da saúde

Correção: Cuidados simples com as horas de sono (6 a 8h), alimentação regular e de qualidade, ingestão de água (2 litros/dia) e atividade física (3 vezes/semana) melhoram significativamente as condições e os resultados do estudo. Experimente e comprove!

4. Estudar “de 2ª a 2ª”

Correção: Algum tempo de lazer a cada semana é essencial para que a pessoa recupere as condições físicas e emocionais para seguir na maratona. Caso contrário, a cada semana o projeto torna-se mais pesado, com risco de o candidato precisar desistir.

5. Estudar somente a teoria

Correção: O estudo da teoria é importante, mas o conhecimento de como aquele conteúdo é cobrado nas provas faz toda a diferença na hora de responder às questões. Baixar provas de concursos anteriores na internet e resolvê-las é essencial para quem deseja estar bem preparado.

6. Estudar na véspera da prova

Correção: O dia da prova é o dia D da sua maratona. Você vai arriscar estar com a sua principal ferramenta –o cérebro- no limite da exaustão? Sugerimos 24h de descanso e relaxamento para que a mente tenha raciocínio claro e plenas condições de resgate de informações na memória.

7. Culpar os outros por suas dificuldades

Correção: O projeto concurso público é pessoal e a vaga conquistada é intransferível. Assim, não exija que outros se responsabilizem pela sua preparação. Todos (todos mesmo) têm dificuldades a enfrentar e isso também prepara o candidato para lidar com as frustrações que podem surgir no caminho. É crescimento e maturidade lidar com os próprios problemas. O ônus é seu e o bônus (a aprovação) também será!

____________________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: “Saiba como manter a saúde em dia para ir bem em um concurso público”

qua 29 maio/2013

A importância da Atividade física na preparação de concursos

Olá, pessoal!

Nesse nosso encontro vamos falar da importância da atividade física para a preparação do concurso. Já sabemos que a atividade física é excelente para a saúde, mas o que tem a ver com concurso? Deixa eu lhe contar um segredo, a atividade física é fundamental para melhorar o desempenho do seu cérebro. Só isso já bastaria para que ela fosse considerada essencial para todos que precisam e desejam um bom resultado mental mas, além disso, a atividade física, principalmente a aeróbica, contribui para o desenvolvimento de novos neurônios.

É comum o concurseiro acreditar que qualquer atividade fora os estudos é perda de tempo, mas esse é um grande equívoco. A atividade física é tão importante na preparação para um concurso quanto a alimentação. As contribuições dessas atividades, bem como a malhação mental, para a cognição são inúmeras: ajudam a melhorar a memória, a disposição, a concentração, a atenção, e estimulam a produção do fator neurotrófico melhorando a saúde do cérebro.

O outro ganho que pode ser adquirido com o hábito da atividade física é a ativação da secreção no cérebro de endorfinas e de endocanabinóides. Diariamente na Academia do Cérebro constatamos como o treinamento pode aumentar o desempenho cerebral das pessoas.

Em termos de exercício físico, para quem estuda, o melhor deles é o aeróbico que trabalha a coordenação motora e, assim, ativa a interação entre os dois hemisférios cerebrais. Você pode dedicar pelo menos 3h semanais para essa atividade, sem achar que está comprometendo seu tempo de estudos, porque os resultados serão tão surpreendentes que de imediato você perceberá a ótima relação custo/benefício. Você não estará deixando de estudar por 3 horas, estará melhorando sua performance de modo que 1 hora de estudos terá um rendimento equivalente às 3h em que se dedicou ao exercício físico.

O mais importante é ter autocontrole e não extrapolar o tempo que determinou para malhar o corpo e mentalmente. Seu cérebro precisa desenvolver a agilidade com disciplina.

No seu planejamento de estudos, inclua um horário de 2 ou 3 vezes na semana, para aumentar seu desempenho cognitivo. Isso vai ajudar você a aliviar tensões e melhorar sua saúde física e cerebral.

Mãos à obra e boas práticas. Até o nosso próximo encontro.

Nanci Azevedo Cavaco

Atividade fisica concurso

____________________________________________________________________________

 Nota do blog:

● São exercícios aeróbicos: caminhar, correr, pedalar, nadar. Têm como característica a continuidade. Estimulam o sistema cardiorrespiratório (aumentando a capacidade cardíaca e pulmonar) para suprir de energia o músculo a partir do consumo do oxigênio (por isso o nome aeróbico).

● Musculação é exercício anaeróbico.

sex 24 maio/2013

Segurança Pública – Boas Novas

Olá!

O mundo dos concursos anda bastante movimentado com a republicação dos editais para os cargos de escrivão (350 vagas), perito (100) e delegado (150) da Polícia Federal. As inscrições são de 17 de maio até dia 3 de junho para todos os cargos – e as provas estão previstas para 21 de julho. O concurso estava suspenso por decisão do STF, em razão da falta de previsão de vagas para deficientes físicos.
E já há mais um pedido de concurso para 1.200 vagas na PF: 600 de agente, 450 de escrivão e 150 para delegado.

Além disso, temos ainda autorização para mil vagas de agente da PRF. O edital pode sair a qualquer momento, apesar de o prazo ir até outubro. O salário inicial é de R$ 6.479,81 e há um grupo significativo de matérias em comum com a PF. Isso, sem comentar os concursos para polícias civil e militar de diversos estados.

O que quero alertar é que há muitas oportunidades na área e, mesmo quem ainda não começou, se tem perfil para esse tipo de atividade, vale a pena iniciar os estudos, porque outros concursos acontecerão.

Veja orientações mais detalhadas na nossa coluna do G1.

Para quem já está estudando, é bom lembrar que todos os concursos para a área de segurança têm previsão de teste físico. Vale assistir ao vídeo que a Polícia Federal disponibilizou como referência para aquele tipo de exame.

____________________________________________________________________________

Links

● G1 – Polícia Federal reabre concurso para delegado, perito e escrivão

● G1 – Veja dicas de concursos para vagas na área de segurança pública

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: “Veja dicas para concursos de tribunal de contas e agências reguladoras”

qua 22 maio/2013

Coluna em Vídeo no G1 (14/05/2013)

“Tire suas dúvidas sobre estratégias de estudo para concursos públicos”

coluna em video 01

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>>assista aqui

qui 16 maio/2013

Será que eu posso? (Parte 2)

Construir concursos

Muita gente teme render-se à sedução dos concursos públicos porque acredita que estará abrindo mão de seus sonhos de profissão. Eu tenho uma visão diferente a respeito desse assunto. Quantas pessoas conhecemos que fizeram a faculdade que desejavam, exercem a profissão escolhida e “estão muito bem, obrigado”? Eu conheço poucas. A maioria ou escolhe a profissão que considera ter melhor mercado de trabalho, ou cursou a faculdade que realmente gostaria, mas trabalha em algo que nada tem a ver com sua formação; ou trabalha na área, mas com remuneração muito baixa. Desculpem, mas… isso é sonho?! Um profissional, para se colocar no mercado privado num patamar de excelência, precisa de uns dez anos de exercício da profissão, além de muita competência e alguma sorte. Precisa ainda investir na sua qualificação profissional, o que requer dinheiro. Para quem pode, excelente! Mas penso que não é essa a realidade da maioria.

O concurso público oferece a possibilidade de bom salário e segurança para que você possa, até, retomar a sua profissão original com mais qualidade. Será preciso conciliar os horários, claro! Mas você terá aporte financeiro para investir na sua qualificação, além de melhores condições de escolha, já que as contas estarão pagas. Isso permite escolher o que realmente nos agrada na profissão, sem ter de aceitar qualquer coisa em razão da necessidade.

Mas, atenção! É preciso não descuidar do trabalho quando for servidor público, realizando-o com qualidade, interesse e comprometimento. Afinal, será sua tarefa servir muito bem a quem paga o seu salário – a sociedade – e permite que você realize seus sonhos. É uma questão de justiça!

No meu caso, foi após a aprovação que publiquei o livro e passei a fazer palestras. A faixa de chegada –a posse no serviço público- foi, na verdade, meu ponto de partida para muitas oportunidades interessantes, que eu sequer imaginava. Daí para consultora em concursos, colunista do G1 e… sabe-se lá o que mais estará depois da próxima curva do caminho… E tudo começou quando me tornei fiscal de rendas.

Então, convido você a iniciar essa empreitada. Vamos?

____________________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1 em vídeo: “Tire dúvidas sobre estratégias de estudo para concursos públicos”

qua 15 maio/2013

Será que eu posso? (Parte 1)

Engraçado como, depois que a gente passa no concurso, tudo parece simples e previsível. Ok! Dá um trabalho danado: é estudar, estudar e estudar. Mas, as regras gerais do jogo são bastante claras. Pena que só percebemos isso com o passar do tempo. Mas lembro quão perdida eu me sentia quando comecei, e vejo que todo mundo que decide iniciar a maratona – ou que ainda não tem certeza se vale a pena – tem dúvidas muito semelhantes.

Por exemplo, muita gente não sabe que a grande maioria dos concursos não exige formação específica, ou seja, quem fez faculdade em qualquer área pode se tornar fiscal, policial federal, etc.. Aí, vem a pergunta: como aprender matérias de Direito se nunca estudei isso? Ou Contabilidade? Ou qualquer outra? Simples: em primeiro lugar, as matérias são abordadas – tanto nos cursos preparatórios, quanto nos livros de editoras especializadas em concurso – de maneira objetiva e visando à construção do conhecimento desde o início. Em segundo lugar, que eu saiba, quando a gente entra na faculdade, começa a estudar matérias totalmente novas. E aprendemos. É a mesma coisa.

Uma falsa crença também faz com que as pessoas escolham concursos que não cobrem matemática, porque tinham dificuldades nessa matéria na época da escola. Outros até questionam se serão capazes de ser aprovados, já que nunca foram bons alunos e têm pouca base. Existem dois fatores determinantes aí. Nos tempos de escola, estávamos ali porque nossos pais nos colocaram e ninguém pensava que estaria “construindo o futuro”. Isso era distante e vago. Quando decidimos estudar para concurso, buscamos algo bastante concreto e objetivo: um bom salário, segurança e perspectivas de futuro (comprar um carro, uma casa, sair da casa dos pais, casar, viajar, etc.). Não é uma miragem; é real e acontece, sim, a partir da posse no serviço público. Eu enfrentava sérios problemas financeiros antes de passar e um dia cheguei a ter a luz cortada. Dois anos depois da aprovação eu estava em Paris, passando férias!

Outro fator que muda a nossa relação com o estudo é o fato de sermos mais velhos (pelo menos um pouco), adultos e sabermos o que queremos. A maturidade faz com que coisas que pareciam quase incompreensíveis nos tempos de escola sejam, hoje, bastante simples de serem aprendidas. E temos aí mais um fato interessante: mesmo antes da aprovação, aprendemos coisas que nos tornam cidadãos mais conscientes, conhecedores dos nossos direitos e deveres, e ainda aprimoramos significativamente o uso da língua portuguesa; tudo isso se reflete na nossa relação com o mundo. Tornamo-nos mais qualificados e seguros em diversas situações, inclusive de trabalho.

paris concurso

____________________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1 em vídeo: “Saiba como estudar para concursos em bancos e na segurança pública”

ter 07 maio/2013