Beba água!

É engraçado como muitas coisas que interferem no estudo não têm nada a ver com o estudo propriamente dito, mas com cuidados que podemos ter para garantir a saúde – e a boa qualidade do aprendizado. 

Uma delas, e talvez a mais simples, é o hábito de beber água. Sim, 2 litros por dia de água. E, se você é desses que não gosta de beber água, eu pergunto: você está dedicado a um projeto de mudança de vida, empenhado em estudar uma dezena de matérias, durante horas a fio, por meses ou alguns anos da sua vida, e não se sente capaz de retomar um costume natural, que é o de beber água? Claro, porque o ser humano não foi criado originalmente com sucos, refrigerantes, mate ou o que os valha. Bebíamos água dos rios (maravilha!), puríssima, como todos os outros animais.

E acontece que a água melhora substancialmente o funcionamento do cérebro, uma vez que neurônios hidratados têm melhor qualidade de comunicação, que acontece por meio de impulsos elétricos. Água é excelente condutor de eletricidade, lembra?

Bem, se eu consegui convencer você (espero que sim), tenho uma boa notícia. Estamos falando de 8 copos de água. Se for um ao acordar (é ótimo para a saúde um copo d’água em jejum) e um perto da hora de dormir, bastam mais 6 ao longo do dia.

Uma dica simples é deixar sempre uma garrafa ao seu lado e controlar quanto já consumiu no dia.

Para facilitar a tarefa, confira aqui uma lista de aplicativos de celular que ajudam a lembrar a hora de aumentar a qualidade do seu aprendizado… bebendo água. Escolha o seu e aproveite!

agua concursos 3

____________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: ”Dá para estudar para o concurso do INSS com poucos recursos?”

● Livro – Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos

qui 26 mar/2015

Lia Salgado no G1 – 24/03/2015

Prós e contras de largar o emprego para se dedicar a concursos públicos

009_Lia_Salgado_G1_24-03-2015Os candidatos a concurso público vivem driblando a falta de tempo para estudar e tentam as mais variadas soluções – até mesmo pedir demissão. Será que esta é sempre uma boa ideia?

Além de conhecer os aspectos positivos e negativos da decisão, quem pretende pedir demissão precisa tomar alguns cuidados para aproveitar bem o tempo e não ficar frustrado. Veja a seguir o que levar em consideração, além de alternativas para servidores públicos e para quem ainda tem dúvidas sobre a estratégia.

Confira a matéria clicando aqui

ter 24 mar/2015

Dicas de Filmes 20 – Intocáveis

Salve, Salve, Concurseiros!

Você sabe rir das dificuldades?

intouchables_edi

Intocáveis

Sinopse:

Philippe (François Cluzet) é um bilionário francês que, após sofrer um acidente de parapente, perde todos os movimentos do seu corpo abaixo do pescoço. Com uma vida repleta de necessidades e cuidados especiais, o mau humorado magnata realiza uma série de entrevistas para contratar um competente enfermeiro. E assim ele conhece Driss (Omar Sy): um bem humorado e problemático imigrante senegalês. Driss só havia ido à entrevista de emprego por estar precisando de uma assinatura para ganhar o auxílio desemprego do governo, mas algo acontece e se dá início uma singular amizade.

Por que devo assistir?

Baseado em uma história real, este filme nos dá uma aula de humildade. Sabemos que a vida não é algo simples e que problemas sempre existirão. Você dificilmente encontrará alguém que tenha tudo e seja realizado em todos os aspectos que gostaria. Nosso protagonista, por exemplo, é inteligente, bem apessoado e tem acesso a tudo que o dinheiro pode comprar. Mas, por uma fatalidade, se viu completamente limitado e dependente dos outros. Isto serve para nos lembrar: sempre existirão desculpas para você não ser feliz. E elas podem até ser reais e justificadas, mas continuam sendo apenas desculpas.

Então, bom filme e seja feliz!

 

Ficha Técnica

Título Original: Intouchables

Origem: França. 2011

Duração: 112 minutos

Direção: Eric Toledano, Omar Sy

Elenco:  François Cluzet, Renée Zellweger

Pedro_MeloPedro Melo é empresário e cinéfilo.

 

 

 

_

sex 20 mar/2015

Melhor ser lebre ou tartaruga?

Quando eu era criança, tinha uma coleção de Fábulas de Esopo. Uma bastante conhecida de todos – A lebre e a tartaruga – aplica-se muito bem à preparação para concursos e vestibulares.

Fazendo um breve resumo, a lebre sempre se gabava de ser muito rápida e desdenhava da tartaruga, que era muito lenta. Um belo dia (histórias sempre têm isso… rs), a tartaruga se encheu e desafiou a lebre para uma corrida. Toda a floresta foi convidada e, no dia combinado, era um rebuliço geral.

Foi dada a largada e a lebre saiu em disparada. A tartaruga, no seu passo lento, foi atrás. Acontece que a lebre correu tanto, que achou que estava com muita vantagem em relação à sua concorrente, e resolveu descansar um pouco à beira da estrada. Caiu num sono pesado e quando acordou já era noite. Desatou a correr novamente, mas ouviu de longe a algazarra da bicharada: a tartaruga tinha vencido a corrida.

Moral da história (fábulas sempre têm isso…) para quem está na maratona dos concursos e vestibulares: não desdenhe do seu concorrente ou da prova a que será submetido; seja humilde e utilize todos os seus recursos sempre.

Na prática, não deixe de estudar uma matéria porque acha que já sabe. Faça revisões, exercícios, provas anteriores. Treine, treine, treine. Por melhor que você seja, por mais conhecimento que tenha, a vitória só é garantida depois de efetivamente ganha. E uma tartaruga determinada pode, sim, vencer uma lebre vaidosa.

concursos_tartaruga

____________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: ”Você sabe quando começar a revisar o conteúdo estudado para concurso?

● Livro – Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos

qui 19 mar/2015

Lia Salgado no G1 – 17/03/2015

Você sabe quando começar a revisar o conteúdo estudado para concurso?

009_Lia_Salgado_G1_17-03-2015Todo candidato sabe que é importante fazer revisões periódicas, mas há muita dúvida com relação ao momento em que isso deve acontecer. Até porque, com o passar do tempo, a quantidade de informações em cada matéria só cresce e fica cada vez mais difícil de ser administrada. Na mesma proporção, vai aumentando o risco de muita coisa cair no esquecimento.

No início do estudo todo mundo tem a sensação de que estuda e não aprende. Não é apenas impressão, mas realidade, porque é o primeiro contato do cérebro com aquele conteúdo, principalmente se for uma disciplina nunca vista na vida. Há um fato importante a ser considerado nesse contexto: a memorização acontece de forma gradual e exige sucessivas repetições. Mas ela só será efetiva se você compreender realmente o que está estudando. Então, o processo começa com o entendimento dos conteúdos, para depois se iniciar a fixação dos mesmos.

Confira a matéria clicando aqui

ter 17 mar/2015

Durma Melhor

concurso_sonoChega uma hora na vida de todo concurseiro em que o que mais se deseja – além de ser aprovado, claro – é poder dormir interminavelmente. O cansaço vai sendo acumulado, e sempre acordamos na hora do relógio e não no momento em que o corpo se sente pronto para isso.

De forma bastante resumida, podemos dizer que, durante o sono, percorremos diversas fases: NREM (não REM – de 1 a 4) e REM (“rapid eye movements”) e em cada uma delas o corpo realiza atividades específicas. Na fase NREM acontece a recuperação da energia física, com pouca atividade neural. Já a fase REM é caracterizada por intensa atividade cerebral. É quando acontece a memorização e também os sonhos. As fases são cíclicas e se repetem várias vezes durante a noite.

Assim, é muito mais fácil acordar quando estamos na etapa 1 da fase NREM. Se pudermos fazer isso, o despertar será mais suave e agradável. Mas, como fazer isso, se estamos dormindo?

Há duas soluções. Uma delas é utilizar um aplicativo (tempos modernos…) que percebe em que fase do sono você está. Porque, para a gente, estamos sempre na melhor delas e não queremos acordar. Mas o seu celular vai despertar no momento mais adequado, dentro de um período de 30 minutos (a hora limite é a que você definiu). Só não vale olhar o relógio e, se estiver alguns minutos adiantado, querer dormir mais um pouquinho. Aí todo o processo terá ido por água abaixo…

Outro método, mais antigo, é deixar o corpo conectado ao ritmo da natureza. Afinal, por mais que a gente se esforce para esquecer, somos bichos. Então, deixar a janela aberta, as cortinas também (ao menos um pouco), faz com que a claridade e os ruídos do dia possam nos trazer “das profundezas” de forma mais suave e gradativa, naturalmente. Tenho testado esta modalidade (quando não está fazendo um calor insuportável) e observei que acordo mais cedo e disposta.

Enfim, já que não é possível aumentar o número de horas de sono por enquanto, que seja mais leve a tarefa de sair da cama…

Mas lembre que é preciso dormir pelo menos de 6 a 8 horas, para não prejudicar a memorização dos conteúdos.

Clique aqui para conhecer o app Sleep Time

concurso publico  aprovacao

____________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: ”Cortes nos orçamentos estaduais afetarão as nomeações de servidores?”

● Livro – Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos

seg 16 mar/2015

Lia Salgado no G1 – 10/03/2015

Cortes nos orçamentos estaduais afetarão as nomeações de servidores?

009_Lia_Salgado_G1_10-03-2015Na coluna em vídeo nesta semana, a especialista em concursos Lia Salgado responde dúvidas de leitores sobre convocação de candidatos aprovados com concursos estaduais, já que governos estão cortando gastos neste ano.

Ela também dá dicas para escolher um concurso de nível médio e para se preparar para o processo seletivo de auditor fiscal, um dos mais complexos.

Confira a matéria e assista ao vídeo clicando aqui

ter 10 mar/2015

Esforço e Continuidade

Hoje quero compartilhar um episódio da minha vida.

Há 8 meses, descobri que estava com um problema sério nos joelhos. Sentia muitas dores, principalmente quando praticava atividade física, que se agravaram a ponto de sentir dor até mesmo quando ficava mais tempo de pé.

Consultei um excelente ortopedista, especialista em joelho. O diagnóstico veio preciso – condropatia patelar, grau 2. A solução? Fortalecimento e alongamento, com acompanhamento especializado, para evitar lesões. Tudo sem impacto e com muitas restrições.

Decidi incluir no “pacote” a perda de 4 kg (estava precisando…).

Paralelamente a isso, eu tinha uma viagem marcada para esquiar com a família, dentro de um mês, tudo pago antecipadamente.

No dia seguinte, 8 de julho, (jogo do Brasil), fui à academia e combinei com o personal valores (investimento significativo) e horários – 4 vezes por semana. Quando começamos? “Hoje, por favor”, eu disse (não amanhã nem na próxima 2ª feira!). Ele ficou surpreso.

O primeiro dia de treino foi uma lástima comparável ao jogo da nossa seleção. Com 5 minutos de transport, caminhando devagar e com pouca carga, eu estava morrendo, contando os segundos para acabar (o cronômetro parecia parado!). Saí com o coração na boca e muito constrangida.

O exercício de isometria, outra vergonha: a perna que deveria ficar estável em esforço ia afrouxando e caindo lentamente. Eu olhava e não via musculatura de onde tirar forças.

E assim seguimos, alternando outros exercícios e transport. A cada vez eu sofria mais… Confesso que se o professor não estivesse ali do lado não sei se teria conseguido.

Se sentia medo? Muito! E também vergonha, porque a minha malhação mais parecia uma fisioterapia geriátrica… (rs). Não tinha certeza se teria condições de aproveitar a viagem na neve. Não tinha garantias de que um mês seria suficiente.

Mas cumpri toda a minha meta, mesmo tremendo, mesmo exausta e mesmo com dúvidas de se conseguiria. E fiz isso todos os dias combinados, até o dia 7 de agosto, véspera da viagem.

Chegou a viagem.

Não foi exatamente um sucesso. Não consegui me sair bem no snowboard e dois filhos se machucaram. De verdade? Fiquei um bocado frustrada.

Na volta, retomei o projeto recuperação e perda de peso, que seguia lentamente: 500g por mês. Os últimos 300 gramas foram quase impossíveis…

Hoje, 8 meses depois, posso dizer que venci as metas. Estou conseguindo um trabalho bem bacana na academia, 3 vezes por semana, e atingi o peso que desejava.

Não foi no tempo que gostaria e exigiu muita determinação. Foi dia por dia, semana a semana, seguindo a dieta e indo malhar. Mas, cheguei lá!

Alguma coisa neste relato parece familiar para você e o seu projeto de conquistar um cargo público? Quis contar isso para você para lembrar que a vida não é perfeita, e que todo projeto exige esforço e continuidade. Além disso, é preciso poder lidar com uma boa dose de frustração. Mas, com esses requisitos, é possível chegar lá.

Svalbard_3

____________________________________________________________________

Links

● Facebook

● Twitter: @liasalgado_

● Coluna da semana no G1: ”Quando (e como) é possível conciliar a preparação para 2 concursos?”

● Livro – Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos

 

sex 06 mar/2015

Lia Salgado no G1 – 03/03/2015

009_Lia_Salgado_G1_03-03-2015

Quando (e como) é possível conciliar a preparação para 2 concursos?

A regra de ouro de uma preparação para concursos públicos, que temos comentado repetidas vezes, é que o candidato deve escolher uma área e iniciar o estudo pelas matérias básicas. Desta forma, quando sair o edital de um concurso da área de interesse, terá boa parte do conteúdo adiantada.

Mas sabemos que, de maneira geral, o candidato está sempre de olho em algum concurso específico, cujo edital está mais perto de ser publicado. E aí, em tempos de notícias de possíveis atrasos em concursos, surge a dúvida: dá para conciliar mais de uma preparação?

Confira a matéria clicando aqui 

ter 03 mar/2015

Lia Salgado no G1 – 24/02/2015

Lia Salgado ensina a usar a correção da prova para melhorar para as próximas

009_Lia_Salgado_G1_24-02-2015Na coluna em vídeo nesta semana, a especialista em concursos Lia Salgado responde dúvidas de leitores sobre correções das provas e sobre a possibilidade de concorrer a dois cargos no concurso do INSS.

Revendo as provas

Lucas Righetti pergunta: “Além da correção das questões da prova, qual seria a estratégia ideal para melhorar para o próximo concurso?”

A especialista explica que o resultado de uma prova é importante para o candidato saber o que fazer (ou não) dali em diante. “As questões da prova que ele errou são importantes porque ele vai ver qual é a parte da teoria que ele realmente não estudou ou o que precisa aprofundar”, comenta.

Confira a matéria e assista ao vídeo clicando aqui

ter 24 fev/2015
1 2 3 4 5 16